Batman gosta de trabalhar sozinho porque ele não quer o peso da morte de ninguém em suas costas. Ao acolher um aprendiz, o Cavaleiro das Trevas se torna responsável pela criação moral e técnica da pessoa. Apesar de toda a trabalheira e responsabilidade, Batman deixou vários deles passarem por sua caverna. Carinhosamente chamada de Bat-Família, o herói realmente formou um ambiente familiar, e não é tão solitário como muitas pessoas imaginam.

Ao lado de pessoas como Dick Grayson, Barbara Gordon, Tim Drake, Stephanie Brown e tantos outros, Batman passou pelas mais variadas experiências. Se apegou a cada um deles de forma diferente e nunca imaginou sentir qualquer tipo de emoção novamente. A seguir, separamos alguns dos momentos mais tristes enfrentados pela Bat-Família.

1 – A morte de Thomas e Martha Wayne

Vamos começar a lista com o nascimento do Batman. A história é bastante conhecida e já foi recontada diversas vezes. Seja qual versão for, de qualquer época, para Batman existir, Thomas e Martha Wayne precisam morrer. Com uma rápida exceção para Flashpoint. O assassinato dos pais de Bruce marcou sua vida para sempre. Ao invés dele procurar terapia e conforto com amigos, ele passou a vida em vários tipos de treinamento, colocou seu corpo no limite de qualquer condição humana e se tornou o protetor de Gotham.

2 – A morte de Jason Todd

Publicidade
continue a leitura

A morte do segundo Robin deixou marcas não apenas no Batman, mas nas histórias em quadrinhos no geral. Em particular as de super-heróis. Jason Todd era um personagem bastante impopular entre os leitores. Dessa forma, a DC Comics deixou o público decidir seu destino. Sendo sentenciado à morte, ninguém imaginava que ela viesse de forma tão cruel. Coringa arma uma emboscada, encurrala Jason sozinho e, com um pé de cabra, bate nele até a morte.

3 – A partida de Dick Grayson

Para boa parte dos leitores, Dick Grayson é o melhor de todos os Robin. Não apenas por ter sido o primeiro, mas por toda sua história, sua evolução e, em especial, pela pessoa na qual conseguiu se tornar. Diferente dos outros, ele pegou as melhores partes do Batman e, ao seu jeito, também foi capaz de mudar um pouco o comportamento frio de Bruce. Mas nada é para sempre. Em certo momento, Dick sentiu que estava na hora de seguir seu próprio caminho. Ele percebeu o quanto ficava cada vez mais parecido com Bruce e, apesar de amá-lo como um pai, não queria a mesma vida. Assim, ele partiu. Deixou para trás a caverna, Alfred e Bruce. Se isolou por um tempo até encontrar sua própria identidade. Foi assim que Dick Grayson se tornou o Asa Noturna.

4 – A paralização de Barbara Gordon

Publicidade
continue a leitura

Filha do Comissário Jim Gordon, Barbara levava uma vida normal, até decidir entrar para a vida de vigilante. Isso, claro, a muito contragosto do pai. Acolhida como pupila do Cavaleiro das Trevas, Barbara assumiu o manto de Batgirl e agiu assim por muito tempo. Treinada pelo próprio Batman, sua evolução era constante. Suas aventuras como Batgirl, entretanto, foram interrompidas de forma abrupta quando Coringa apareceu na porta de sua casa. Quando abriu, sem qualquer aviso, Barbara levou um tiro na barriga e foi deixada para morrer. Contrariando as expectativas, ela se salvou, mas ficou paraplégica. Ela não pôde mais atuar como Batgirl, mas ainda era capaz de fazer a diferença. Com suas habilidades de hacker, ela se tornou a Oráculo e fundou as Aves de Rapina.

5 – O primeiro encontro de Batman com Capuz Vermelho

A morte de Jason Todd foi tão brutal que a DC resolveu reformular o personagem e fornecer uma segunda chance para ele. Dessa forma, após o assassinato, o corpo de Jason foi levado ao Poço de Lázaro. Ele, entretanto, provoca alguns efeitos colaterais, como loucura temporária e instabilidade mental. No caso de Jason, parece ter sido permanente. Depois de um tempo, ele voltou à Gotham e aterrorizou os criminosos sob a identidade de Capuz Vermelho. Ele os caçava para matar - um comportamento que, eventualmente, o levou a ficar cara a cara com o Batman.

Quando os dois se encontraram, Jason se revelou para Bruce, que não soube como reagir. Cheio de raiva, o garoto desabafou e disse que nunca culpou Bruce por sua morte. Ele sabia dos riscos de vestir o uniforme. No entanto, o que ele não entendia era como Batman foi capaz de deixar o Coringa vivo depois do que o Palhaço fez com ele. Isso sim, Jason nunca perdoou.

6 – A carta de Thomas a Bruce

Publicidade
continue a leitura

Em Flashpoint, Barry corre tanto que volta no tempo, para o período em que sua mãe ainda estava viva. Aproveitando a situação, ele impede seu assassinato e muda por completo a história do mundo. Diana e Aquaman começaram a Terceira Guerra Mundial e a história de várias pessoas foi alterada. No caso da família Wayne, na noite do beco, foi Bruce quem morreu. Com o choque, Martha enlouqueceu e se tornou a versão do Coringa. Thomas, por sua vez, se tornou o Batman daquela realidade, mas não como seu filho. Ele era mais violento e usava armas de fogo tranquilamente.

Apesar disso, foi ele quem ajudou Barry a voltar para o futuro e arrumar as coisas. Ao saber que Bruce sobreviveu àquela noite na realidade de Barry, Thomas lhe pediu um favor. Na volta para casa, ele entregou a Barry uma carta para ser entregue ao filho. Bruce era muito criança quando seus pais morreram. A carta foi a maior conexão que ele teve depois da tragédia. Entre desabafos, Thomas disse ter orgulho do filho e pediu para ele não se esquecer de ser feliz.

7 – Dick cai nas mãos do Coringa

Uma das maiores frustrações de Coringa sempre foi nunca ter conseguido traumatizar Dick Grayson. De alguma forma, ele prejudicou todos os Robins, exceto ele. Assim, o Palhaço via Dick como uma premiação principal, pois, não importava o quanto esforço colocava numa missão, nunca dava certo. Até que um dia ele conseguiu. Coringa infectou Dick com sua toxina e o deixou desequilibrado. Dick, então como Asa Noturna, lutou contra seus amigos mais próximos e causou muitos estragos sob o controle mental do Palhaço.

Publicado em: 03/10/18 17h51