O universo é muito grande para pensarmos que estamos sozinhos nele. E o simples fato de nós humanos existirmos é uma evidência de que a vida tecnologicamente avançada é possível. Mas todas as buscas que fizemos por outras civilizações não tiveram nenhum resultado. E pelo fato do nosso planeta ter a única prova de vida que nós temos, é bem difícil para nós saber o quão comum ou rara ela é.

Mas de acordo com um novo método para calcular essa probabilidade de vida surgir em outros lugares fora da Terra, podemos ter maiores esperanças. Segundo os parâmetros usados por ele, deve existir, pelo menos, 36 civilizações avançadas. Que são capazes de transmitir sinais de comunicação na Via Láctea. E esse número pode ser ainda maior.

"Deveria haver pelo menos algumas dezenas de civilizações ativas em nossa galáxia. Pressupondo que sejam necessários 5 bilhões de anos para que a vida inteligente se forme em outros planetas, como na Terra. A ideia é olhar para a evolução, mas em uma escala cósmica. Chamamos esse cálculo de limite copernicano astrobiológico", explicou o astrofísico Christopher Conselice, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido.

Estudo

Publicidade
continue a leitura

Os parâmetros que podem ser usados para estimar o número de civilizações inteligentes na galáxia são vários. Junto com o seu colega engenheiro, Tom Westby, Conselice desenvolveu uma escala de cálculos com base no número de parâmetros incluídos.

Para o limite copernicano astrobiológico mais fraco a equipe assumiu que a vida inteligente surge sempre que possível nos planetas rochosos. Que ficam nas zonas habitáveis de estrelas hospedeiras. E tem idade e metalicidade suficientes.

Isso fez com que voltasse uma estimativa de dezenas de bilhões de habitats em potencial. Mas também é muito improvável que uma vida inteligente realmente surja nesses casos.

Em outros três limites foram estabelecidos. Prazos para o surgimento dessas civilizações avançadas tendo como base o que aconteceu na Terra. Em nosso planeta, demorou aproximadamente 4,5 bilhões de anos para uma civilização tecnológica avançada surgir.

Publicidade
continue a leitura

Dessa forma, para o limite copernicano astrobiológico mais forte, os parâmetros incluíram uma estrela parecida com o sol. Com uma idade entre 4,5 bilhões e 5,5 bilhões de anos. E supondo que a vida útil de uma civilização em comunicação seja de aproximadamente 100 anos o limite inferior do número de civilizações é de 36.

"O método clássico para estimar o número de civilizações inteligentes se baseia em adivinhar valores relacionados à vida, em que as opiniões sobre tais questões variam substancialmente. Nosso novo estudo simplifica essas suposições. Usando novos dados, fornecendo uma estimativa sólida do número de civilizações em nossa galáxia", disse Westby.

Civilizações

Publicidade
continue a leitura

Se essas civilizações existem e estão transmitindo sinais por que ainda não achamos nenhuma? Isso tem a ver com o tamanho da galáxia. Segundo os cálculos da equipe, se espalhar 36 civilizações por todo o grande alcance dela, a distância média será de 17 mil anos-luz entre cada par.

"Nossa nova pesquisa sugere que as pesquisas por civilizações inteligentes extraterrestres não apenas revelam a existência de como a vida se forma. Mas também nos dão pistas de quanto tempo nossa própria civilização durará", disse Conselice.

"Se acharmos que a vida inteligente é comum, isso revelaria que nossa civilização poderia existir por muito mais do que algumas centenas de anos. Alternativamente, se acharmos que não há civilizações ativas em nossa galáxia é um mau sinal para nossa própria existência a longo prazo. Ao procurar por vida extraterrestre inteligente, mesmo que não encontremos nada, estamos descobrindo nosso próprio futuro e destino", concluiu.

Publicado em: 16/06/20 16h29