Muito das vezes, a dedicação pode nos levar a lugares que nunca imaginaríamos ir. No entanto, para algumas pessoas, esse pode ser um sinal de que você está persistindo no erro. Afinal, o que aconteceu com o homem que quis voar da Torre Eiffel, usando asas de seda?

Ao longo de sua vida, a dedicação de Franz Reichelt o levou ao desenvolvimento de um traje, para que pudesse "voar". Entretanto, esse seu feito histórico também o levou à morte.

O céu é o limite para Franz Reichelt

Publicidade
continue a leitura

Ao longo de sua vida, Franz Reichelt tinha um sonho, criar um traje que pudesse planar pelos céus. No entanto, ele descobriu, de uma forma trágica, o que seria um antecessor do paraquedas. Tudo isso, porque no início do século XX, um alfaiate não tinha as melhores ferramentas para criar a tal tecnologia. Antes mesmo de Franz, a história do paraquedas já é datada de muito tempo. Na época, a maior problemática da tecnologia eram os velames de tecidos, que ainda usamos hoje em dia. No entanto, Franz via a situação de forma diferente.

Nascido na Áustria, Franz se mudou para Paris, em 1898, quanto tinha 19 anos. Na época, trabalhou como alfaiate profissional, em seu próprio negócio. Franz era tão bem sucedido, que seu trabalho atraía clientes austríacos que visitavam Paris. Contudo, no início do século XX, ele começou a sonhar mais alto. Dessa forma, o alfaiate queria fazer mais do que roupas, ele queria fazer roupas que fossem, de fato, úteis para alguma coisa.

Enquanto isso, o mundo da aviação testava novas tecnologias e crescia em um ritmo surpreendente. Com isso, os irmãos Wright aprimoravam as tecnologias de voos. Mas claro, acidentes trágicos também ocorreram, como, por exemplo, a morte do "rei planador" da Alemanha, em 1896. E também, o caso de Thomas Selfridge, a primeira pessoa a morrer em um acidente de avião a motor. Com tudo isso acontecendo, Franz pensou que poderia fazer algo para ajudar a melhorar a segurança desses novos aviadores. Dessa forma, nasceu sua visão do traje de paraquedas.

O homem que não teve medo de voar

Publicidade
continue a leitura

Ao contrário de outros trajes, o de Reichelt não limitava os movimentos de quem o estivesse usando. Dessa forma, o modelo contava com vários painéis e abas extras, para a queda livre. Em um primeiro teste, em 1911, Franz acabou com uma perna quebrada, mas isso não o desmotivou. De acordo com o alfaiate, o erro aconteceu porque não havia distância de queda suficiente para o equipamento funcionar.

Depois disso, Franz só viria a saltar no ano seguinte. Contudo, essa seria seu último salto. Em 1912, Franz organizou uma demonstração para um salto do topo da Torre Eiffel, cuja altura tem mais de 60 metros de altura. Naquela época, as autoridades não estavam muito interessadas na segurança de alguém que quisesse testar paraquedas experimentais. Com isso, não foi difícil obter a permissão. No entanto, o combinado seria de que um manequim fosse jogado, e não ele.

No dia, Franz estava decidido a ir adiante, mesmo com o vento e tempo frio. Seus amigos tentaram convencê-lo do contrário, mas tudo foi em vão. Ao subir no topo da torre, ele ficou parado na borda, por mais de 40 segundos. Antes de saltar, ele gritou "até breve", mas, infelizmente, essas foram suas últimas palavras. Ao cair, o traje falhou e envolveu o inventor, que foi transformado em um torpedo. Como foi dito em jornal da época, "Reichelt caiu como uma pedra".

Publicidade
continue a leitura

Aqui, é possível assistir o vídeo da queda de Franz Reichelt, o homem que quis voar da Torre Eiffel usando asas de seda, confira!

Publicado em: 22/01/20 23h56