Os filósofos e pensadores religiosos definem frequentemente a felicidade em termos como 'viver uma vida boa' ao invés de simplesmente definir como uma emoção. A felicidade neste sentido foi usada para traduzir o Eudaimonia grego, e é usado ainda na ética da virtude. Houve uma transição ao longo do tempo a partir de ênfase na felicidade da virtude à virtude da felicidade.

Um valor político amplamente discutido e expresso na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776, escrito por Thomas Jefferson, é o direito universal à "busca da felicidade".

A felicidade é um conceito distorcido e pode significar muitas coisas diferentes para muitas pessoas. Parte do desafio da ciência da felicidade é identificar diferentes conceitos de felicidade e dividi-los em seus componentes. Conceitos relacionados são o de bem-estar e qualidade de vida.

Desde 1960, pesquisas sobre felicidade tem sido conduzidas em uma ampla variedade de disciplinas científicas, incluindo gerontologia, psicologia social, investigação clínica e médica. Durante as duas últimas décadas, no entanto, o campo de estudos sobre a felicidade se expandiu drasticamente em termos de publicações científicas.

Publicidade
continue a leitura

A investigação tem produzido muitos pontos de vista diferentes sobre as causas da felicidade, e em fatores que se correlacionam com a felicidade. Entretanto, nenhum método validado foi encontrado para melhorar substancialmente a felicidade a longo prazo de uma forma significativa para a maioria das pessoas.

Saiba agora o que a ciência já descobriu sobre a felicidade:

Religião

Publicidade
continue a leitura

11

Religião e felicidade têm sido estudados por diversos pesquisadores. A religião possui muitos elementos que abordam os componentes da felicidade, como identificado pela psicologia positiva. Sua associação com a felicidade é facilitada, em parte, pelas conexões sociais das organizações religiosas e pelos benefícios neuropsicológicos da oração.

Há uma série de mecanismos através dos quais a religião pode tornar uma pessoa mais feliz, incluindo o contato social e apoio que resultam de atividades religiosas, a atividade mental que vem com otimismo e voluntariado.

Teoria de gestão do terror

Publicidade
continue a leitura

12

A teoria de gestão do terror sustenta que as pessoas sofrem dissonância cognitiva (ansiedade) quando são lembradas de acontecimentos negativos inevitáveis como a morte. Através do gerenciamento de terror, os indivíduos são motivados a buscar elementos de consoantes - símbolos que fazem sentido de maneira satisfatória (ou seja, aumentar a auto-estima). A investigação descobriu que fortes crenças religiosas ou sistemas de significado seculares proporcionam segurança psicológica e esperança.

Publicado em: 02/09/15 19h15